sábado, 25 de outubro de 2014

Fabrício Moreira Homenageia Icó.

ICÓ E O CÉU EM FESTA.

Reinaldo Costa, nascido no sitio Malhada Funda, fazenda às margens do Rio Salgado, há 89 anos (25/10/1925), no sertão ressequido do Icó, semiárido nordestino, se estivesse na vida terrena, hoje, estaria completando mais um ano de vida.

Entre nós, foi comerciante respeitado, um homem de grande elegância moral, honesto, sempre respeitado pela família e por todos os icoenses.


Na vida pública, como brisolista, participou do grupo dos 11, chegando inclusive a ser perseguido pela ditadura militar.

Como cidadão de referência, se movimentou em sociedade como o que de melhor o Icó possuía, além de esposo e pai de família exemplar.

Por coincidência do destino, aniversaria no mesmo dia do nosso torrão pátrio Icó, cidade que ele fez culto de amor infinito.

Que Deus seja louvado!

Com o futuro vereador Matheus Chagas Mota.


Último evento de campanha em Icó.



Hoje, dia de outubro, às 19h, a Deputada Estadual eleita, Laís Nunes, fará o último evento de campanha em Icó.

Convocou lideranças políticas e comunitárias, para juntamente com o povo, onde às 19h, vão sair em "carreata" em defesa de Dilma - presidenta, e, Camilo - governador, pelas ruas da cidade.

É O AMOR!


A minha relação com Icó é dum amor extraordinário. Ranna, minha filha, nasceu na véspera de aniversário de nosso torrão. E, eu, há 17 anos casei com essa bela jovem Aurineide Sousa Moreira da Costa, na Igreja da Matriz, no dia 25 de outubro, enquanto os fogos de artifícios anunciavam a sua emancipação política.

*A JUVENTUDE DEU SEU RECADO.

Encerrado o processo eleitoral no que concerne à escolha para o parlamento, meu sentimento é de profunda gratidão ao povo cearense que me confiou um segundo mandato. Em especial à juventude que se engajou em nossa campanha, propagou nosso trabalho e ressoou nossas propostas, seja nas redes sociais ou fisicamente. Sozinho, não teria jamais alcançado a dimensão de conquistar votos e aceitação em 185 municípios.  
Quando fui eleito em 2010, meu grande desafio era provar que juventude não é defeito. Ao contrário, nossa garra, impulsividade e idealismo nos fazem gestantes de um compromisso sólido com a felicidade. A felicidade de um país justo socialmente, múltiplo no respeito a todos e a todas, diverso nas oportunidades de crescimento pessoal e coletivo. Na Câmara Federal, minha primeira conquista foi presidir a Frente Parlamentar da Juventude, instrumento que nos possibilitou desengavetar o Estatuto da Juventude, construindo consensos que viabilizaram sua aprovação e hoje é a Lei 12.852/2013.
Trabalhamos também na construção de políticas públicas de enfrentamento às drogas, que comprometem a saúde dos jovens e a estabilidade das famílias; na redução dos danos provocados pela seca nos municípios, através de recursos para obras de abastecimento de água. Na Comissão de Desenvolvimento Urbano, por nós presidida em 2012, tivemos a responsabilidade de discutir o PAC da Mobilidade Urbana e a formatação do Programa Minha Casa, Minha Vida.
É gratificante voltar aos municípios que visitei em 2010, olhar no olho dos companheiros que se somaram a nossa jornada e dizer: julguem o meu trabalho e se eu for merecedor me conduza novamente ao Congresso Nacional. Voltarei a cada um deles agora para agradecer a confiança renovada e reafirmar meu compromisso. Como disse a todos que me ouviram, nas pequenas reuniões ou nos comícios, estou mais experiente e com disposição em dobro para trabalhar pelo Ceará.
Fui a todo o Brasil o deputado federal mais votado do meu partido. Isso aumenta a minha responsabilidade, mas é também um combustível para me manter na luta. Há muito a ser feito. Quero consolidar as conquistas do Estatuto da Juventude, discutir o pacto federativo, alicerçar políticas de qualidade para a educação, saúde e segurança e contribuir com o melhor de mim para que o Ceará continue trilhando o caminho do desenvolvimento.  
*Domingos Neto.
Deputado Federal (Pros/CE).


“CHICO DE MANDUCA E A CAIXA D’ÁGUA”.


Ele nasceu Francisco Bezerra de Lima, porém, tornou-se conhecido somente por Chico de Manduca, liderança política valorosa e fazendeiro festejado.

Durante vários mandatos o povo o fez o mais votado. Os vereadores o fizeram presidente do legislativo icoense por duas vezes.

Mas, quem conheceu e ainda conhece o ilustre cidadão (hoje afastado da vida pública por problemas de saúde), a quem aprendi a ouvir e respeitar, já que sempre foi um excelente amigo, simples e de bom coração, Manduca foi mais além.

Foi muito mais que um simples vereador da terra dos Icós. Quem conviveu com ele, sabe do que estou falando.

Pois bem, o ano era 1996, Chico de Manduca prepara-se, novamente, para ir às urnas do pleito em desenvolvimento.

Chega ele, então, a primeira residência.

- “Comadre Maria, tudo bem, e aqueles 12 votos lindos que sempre me acompanharam, ainda posso contar com eles?” –

Pode não. Respondeu raivosa a eleitora.

Manduca não contou conversa: “Caiu num pranto de choro”.

Comadre Maria com dó cuidou logo em desfazer a situação: “Calma compadre Chico de Manduca, não precisa se homilhar tanto assim. Já que sempre foram seus, será novamente nessas eleições”.

E assim Chico de Manduca fez em dezenas de casas. Todos os gestos, diga-se, com resultados positivos.

Porém, ao chegar à casa de seu Antonio, houve um problema na estratégia.

Com a negativa dos votos para sua pessoa, Chico de Manduca fez força pra chorar mais as lágrimas não desceram. Perdeu aqueles 8 (oito) votos lindos.

O que houve amigo Chico de Manduca na casa de seu Antonio?

Perguntou os ouvintes do “Causo”.

- “Não houve nada. O problema é que a caixa d’água dos olhos, naquele dia, já tinha secado quando eu cheguei à casa de compadre Antonio” -.

Nosso querido e amado Chico de Manduca, também naquele pleito, foi o mais votado dos inúmeros candidatos.

(DO LIVRO DE CAUSOS DE FABRÍCIO MOREIRA DA COSTA).


ICÓ, 172 ANOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA ADMINISTRATIVA.






FOTOS: ARTHUR LUIZ.

*ICÓ, A SAUDADE MATA A GENTE.

FOTO: ARTHUR LUIZ.
“Eu daria tudo que eu tivesse
Pra voltar aos dias de criança 
Eu não sei pra quê que a gente cresce 
Se não sai da gente essa lembrança”.

Quando o mestre da música popular brasileira, Ataulfo Alves, compôs letra e música de “Meus Tempos de Criança”, obra que entrou para a galeria da eternidade, a intenção foi homenagear a pequena Miraí, cidade que lhe viu nascer. Todavia, talvez não levasse em conta, que estivesse falando das lembranças que toda criança carrega da infância alegre e feliz, vivida em seu torrão natal, onde a cidade da gente se transforma na pátria da gente.

Este é um hino que, quando ouvido com o coração, deixa a mente liberar as imagens que nos fizeram apaixonar definitivamente por este torrão.

“Aos domingos missa na matriz....Que saudade da professorinha, que me ensinou o be-a-bá...”; e por aí vai o cancioneiro popular ferindo na carne as lembranças de um tempo que não volta mais.

Este preâmbulo nos faz lembrar nossa pequenina Icó. Princesa do nosso coração, onde jogamos bola com os pês descalços na amplidão da Várzea do Colégio e nas sombras seculares dos Tamarindeiros. Tomamos banho na fria água que escorria das bocas de jacaré da Igreja Matriz, quando a chuva vinha derramar sua alegria no famoso Largo do Théberge, testemunho vivo da história que fez esta cidade sair do ventre materno da Ribeira do Salgado, onde os índios Icós descansavam no areal imenso e dormiam sob a proteção generosa de Oiticicas, Juazeiros e Tamarindeiros.

Um tempo depois, a vaqueirama em expedições rotineiras, tangia vacas e bois, que atravessavam as plagas do Maranhão e Piauí, concretizando o chamado Caminho das Boiadas. No Icó, cruzavam o Rio Salgado em Zé Barreto e desfilavam pela planície do Largo do Théberge, para o estabelecimento do maior comércio a céu aberto do nordeste brasileiro que o botânico e pesquisador Freire Alemão, um dia, chamou de “maior empório comercial do sertão”.

Os ciclos do charque e do couro trouxeram riquezas e prosperidade, igualmente, marinheiros de Portugal, da Espanha e da França.  Construíram os casarões, os sobrados em estilo barroco autêntico, inclusive, o Teatro da Ribeira dos Icós e com ele a arte clássica representada por um piano de calda colocado como principal mobiliário das salas da aristocracia exposta pela riqueza que se expandia pelos rincões do Icó.

Também vieram a importância geográfica, e, política, consagradas pela pungente economia que nascia generosamente pelas veias abertas da mãe natureza e pela capacidade empreendedora dos Icoenses de então. Mas a vida corre como fio de água pelos dedos das mãos. E sentimos saudade dos tempos bons que se foram.

Dos 500 anos do Brasil, mais de 300 foram vividos por esta nossa terra dos Icós e por nossa gente, 277 documentados, lacuna não suprida até hoje por um legislativo inoperante para a proteção da história. De lá para cá, tanta coisa mudou.

O município, que nas regras atuais aniversaria em 25 de outubro, e completa 172 anos em 2014, já viveu grandes datas.

Toureiro e boi foram trazidos da Espanha para a reprodução da famosa “Tourada de Madri”, bandas marciais desfilaram por suas ruas bem traçadas chamando a população para os eventos de um mês inteiro de comemorações, a SEMIC (Semana do Município), à época, se estabeleceu trazendo atrações nacionais de bom nível e revelando talentos locais na arte, na literatura e na comida tipicamente sertaneja. As festas estrondaram fazendo tremer o famoso largo com forró e bebedeira em noites incansáveis. 

Tudo se foi...


Agora a cidade comemora uma data incerta, em um dia incerto e com programação inexistente. Aniversário pífio para uma cidade grandiosa que guarda nos paredões da história a memória de um passado rico e glamoroso, hoje decaído por dias de incertezas tantas.

No final da tarde, com o sol batendo melancolicamente na torre da Igreja da Matriz de Nossa Senhora da Expectação, resta lembrar o trecho da eterna melodia composta por Antônio Almeida e Braguinha: “A saudade mata a gente, morena. A saudade é dor pungente, morena.”

(*Por Fabrício Moreira da Costa, advogado e contista, nascido em 05 de novembro de 1969, no Hospital e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, na Ribeira do Salgado dos Icós).


EXPEDIENTE: DIA 25 DE OUTUBRO DE 2014 - DATA QUE SE COMEMORA 172 ANOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE ICÓ - ESTADO DO CEARÁ.


sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Juiz e promotor esperam eleições calmas e rápidas em Iguatu.

Promotor eleitoral, Fernando Miranda: pleito deverá ser calmo e rápido. Foto: Honório Barbosa
Promotor eleitoral, Fernando Miranda: pleito deverá ser calmo e rápido. Foto: Honório Barbosa
Na cidade de Iguatu, no Centro-Sul do Ceará, concentra-se o maior colégio eleitoral da região. São 70.796 eleitores aptos a votar em 317 seções. De acordo com o promotor eleitoral, Fernando Miranda, não houve nenhum incidente na votação do primeiro turno. 
“Tudo transcorreu dentro da normalidade, sem incidentes importantes”, frisou o representante do Ministério Público Eleitoral. 
“Todas as urnas funcionaram regularmente, mesários, secretários e presidentes compareceram e a votação ocorreu dentro do horário previsto, sem atraso”.
Ainda de acordo com o promotor eleitoral, Fernando Miranda, o clima é de tranquilidade até o momento. “A nossa expectativa é de que teremos as eleições mais calmas desde 1996”, frisou. O município de Iguatu já registrou eleições tensas e os problemas mais graves geralmente ocorrem em pleitos municipais, como em 2008 que registrou a eleição mais violenta do Ceará, segundo avaliação na época da Polícia Federal.
Neste sábado, começa o trabalho de distribuição das urnas eleitorais a partir das 8 horas, no Fórum Eleitoral de Iguatu. O serviço deve ser concluído até as 15 horas. O juiz eleitoral de Iguatu, Eduardo Girão Mota, também disse acreditar que o segundo turno de votação será tranqüilo e rápido. “São apenas dois candidatos e haverá mais facilidade para votação”, observou.
(DN-ON LINE\HONÓRIO BARBOSA).

ICÓ, RIBEIRA DO VALE DO SALGADO, ESTADO DO CEARÁ. DIA 25 DE OUTUBRO, COMPLETA 172 DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA ADMINISTRATIVA. AS FOTOS, SÃO DO GÊNIO DA LUZ, ARTHUR LUIZ.






#172Anos #Icó #Patrimônio #Beleza



Icó encanta a todos pelas suas belezas arquitetônicas, uma cidade encravada bem no sertão do Ceará, tombada nacionalmente e que, neste sábado (25), completa 172 anos de emancipação. Mas que têm 300 anos de história. Foi tribo, virou vila e tornou-se cidade.

Venha conhecer de perto nossos sobradões, templos, casas antigas, o primeiro teatro a ser construído no Ceará, o Ribeira dos Icós; a Casa de Câmara e Cadeia, o Sobrado Canela Preta (onde funciona o Núcleo de Música), o Sobrado do Barão do Crato, a Rua do Meio, a tradicional Festa do Senhor do Bonfim (em dezembro e janeiro), o Forricó (a maior festa popular do Interior realizada em praça pública no mês de julho) e muito mais.

Venha se refrescar com o "vento do Aracati", conhecer o nosso povo hospitaleiro, nossas peixadas em Lima Campos e bater um bate papo bem agradável com o "seu" Altino Afonso, historiador e amante desta terra, lá na Secretaria de Cultura e Turismo.

Conheça a nossa FanPage com as principais notícias do Governo Municipal de Icó.

Icó, tu és bela demais e teu povo te admira! Parabéns, Icó!

(DO NÚCLEO DE COMUNICAÇÃO DA PREFEITURA DE ICÓ\CE).

ICÓ EM FESTA: 172 ANOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA (25 DE OUTUBRO).


É o governador?


Logo quando iniciei meu desejo de entrar na vida pública, gostava de participar de todos os eventos. Não perdia um sequer.

Certo dia, ia passando defronte ao principal clube de Icó e, este, lotado de carros em sua volta.

Daí, perguntei do que se tratava. "É o governador que veio participar duma reunião conosco", disse o recepcionista.

Empolgado, fui em casa às pressas, vesti a melhor roupa e retornei.

"Era o governador do Lions Clube todo paramentado que se fazia presente naquela reunião".

Sai de fininho, sem nada dizer ou explicar, aos demais presentes no encontro referido.

Olhe Dr. José Ronald Bezerra Ronald. Apresento-lhe o nosso novo defensor público: o Dr. Irmão-padim. Já todo formal e preparado pra trabalhar.


A PEIA DE AMOR DO LALADO.


 (Foto: Lalado de peruca vermelha).

Lalado Costa, uma das figuras mais folclóricas do Icó, conhecido por “Porca Pelada”, já foi notícia em importantes meios de comunicação por seu estilo irreverente, inclusive foi quadro do humorista Mução, nas “Pegadinhas do Mução”.

Lalado é proprietário do barzinho “Porca Pelada”, fincado no centro histórico da urbe, onde reúnem-se os “papudinhos” mais conhecidos para ouvir os novos “causos” e contar outros.

Recentemente, depois de 30 (trinta) anos de casado, o nosso Lalado resolve deixar o lar e separar-se oficialmente, pois, segundo os seus colegas, o “home” está apaixonado por outra moça da cidade.

O relato é fato público e notório. Todos sabem, todos comentam como mais uma presepada do Lalado.

Semana passada, Lalado levou uma pequena “surra” da nova mulher. Ficou todo machucado.

Ao chegar ao seu estabelecimento, eis que os “papudinhos” foram logo tirando onda da sua cara e dos fatos que percorreram às ruas.

“Eita Lalado, que coisa feia, tu apanhou da nova mulher?”

- “E daí, o que tem de feio nisso? Como não tenho mais pai nem mãe, só posso agora apanhar da minha mulherzinha mesmo”, respondeu Lalado todo desconfiado, mas de cabeça erguida, porém, bem vermelhinha da peia que sofreu.

(DO LIVRO DE CAUSOS DE FABRÍCIO MOREIRA DA COSTA).



RANNA, IMPORTANTE COMO UMA FLOR QUE NASCE NO CHÃO DO SERTÃO!


Há 11 anos, o vento forte nos envia o seu cheiro e anuncia a sua chegada, com o abraço do amor, confirmando a coragem que seria utilizada em sua própria defesa, batizando-a apenas de Ranna, uma "criança graciosa".

Esperada com alegria nascia à primeira mulher de nosso sagrado lar, abençoado por Deus, com colorido especial desenhado em seu sorriso tão belo.

Hoje, discreta no comportamento pessoal, mas sensível no olhar, no amor a na arte que se imagina desde os sonhos mais infantis, nos enche o coração, para ao lado da família e dos amigos, comemorarmos o seu aniversário.

Ranna, filha amada, que neste dia todas as alegrias sejam suas.

Parabéns!

Icó – Ce, em 24 de outubro de 2014.

Fabrício e Aurineide (pais); Renan e Raísa Maria.(irmãos).



PREFEITO SIMÃO PEDRO, DE ORÓS, CONVIDA:


A GELADEIRA É SUA!

O ano era 1996!
Campanha à prefeitura icoense começava a ferver, tanto nos palanques como nos bastidores. Em Icó, é tradição, também, a visita casa-a-casa e o famoso beija mão. Candidato que se diz popular tem que respeitar essas regras.
Regra também por aqui os “pedintes” em demasia. Aonde tem um político do Icó, existem pelo menos alguns tipos de eleitores: “vários cobrando; vários pedindo”.
É o Icó!!! Fazer o que? Viciarem nossa gente...
Pois bem, na caravana que visitava Lima-Campos, além dos candidatos a prefeito e vice, existia pelo menos uma dezena de pretensos vereadores. Uns em primeiro exercício democrático. Outros, reeleitos por muitos anos.
Até aí, tudo bem!
Ocorre, que chegando à casa de Maria Bezerra, o candidato (e vereador eleito) Antonio Batista, o Bonitinho, que Deus o levou recentemente, folclórico como sempre foi o primeiro a se apresentar como candidato a reeleição.
“E aí, comadre Maria, posso contar com seu voto?”.
- Pode Não! Respondeu a eleitora desconfiada -.
“Vixe, por que Maria?”.
- Porque você me prometeu uma geladeira nas eleições passadas e até agora nada -, disse Maria.
Antonio Batista, nosso querido vereador que disputava mais um pleito, não se fez de rogado: “É verdade comadre, realmente lhe prometi a geladeira. Apenas ainda não lhe entreguei mais ela é toda sua”.
Maria não votou em Antonio Batista e, lamentavelmente, naquele pleito o então eleito virou apenas “suplente de vereador”.
(Do livro de causos de Fabrício Moreira da Costa).

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

ICÓ, DIA 25 DE OUTUBRO (SÁBADO), COMPLETA 172 DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA ADMINISTRATIVA. FOTOS: ARTHUR LUIZ.





O TEATRO DA RIBEIRA DOS ICÓS APRESENTA:


O relax de Cid Gomes, governador do Ceará, após o resultado das pesquisas eleitorais, publicada nesta quinta-feira, 23.


ICÓ EM FESTA: 172 ANOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA (25 DE OUTUBRO\SÁBADO).


HISTÓRIA, FÉ E CULTURA POPULAR.

APRESENTOU DEMAIS E PERDEU A ESPOSA.



Jackson Massilon Júnior, nosso querido Jacaré, é quase unanimidade em Tauá (CE), quando se refere a uma pessoa agradável e cheio de vida. 

Têm histórias que preenchem uns dez livros de fatos memoráveis. 

A última dele, diz que Jacaré estava num restaurante da cidade, com um amigo que num passado não muito longe teria perdido a esposa para um playboy, digamos, esperto demais.

Passaram-se os anos e, como a vida segue, o tal amigo casou-se novamente, desta feita com uma moça boa e prendada. 

Por coincidência, no mesmo restaurante, encontrou-se novamente, Jacaré, o amigo e a nova esposa. Porém, quem chegava à mesa comum, o amigo tratava logo de apresentar a esposa e "passava dez minutos enaltecendo suas qualidades".

Jacaré, já irritado, resolveu reclamar: "meu amigo acabe com isso. Você fica elogiando demais sua mulher pra todo mundo; já perdeu uma que não prestava pra nada, imagine essa com as qualidades do mundo todo".


VANDALISMO!



Vários cidadãos icoenses, denunciaram, que "túmulos do cemitério" do município de Icó (CE), foram danificados na última quinta-feira, 23, pela madrugada.

A prefeitura de Icó e a polícia serão acionadas para tomarem as providências necessárias e prenderem os vândalos.

"Estamos desconfiando dos malucos, que aproveitam a madrugada, para vir ao cemitério tocar violão e, possivelmente, algo mais que isso", informou uma senhora ao blog, que não quis se identificar.


JACARÉ E SUA NOVA ATIVIDADE COMERCIAL!

AO CENTRO\CAMISA BRANCA
Jackson Massilon Júnior, o Jacaré, é daqueles que preenche qualquer ambiente e mesa de bate-papo com sua alegria contagiante.

Tristeza, ela vai embora, rapidamente, em qualquer momento que registre a sua chegada, ilustre cidadão dos Inhamuns, nascido nos sertões ressequidos, mas de coragem e progresso, de nosso Tauá, no semiárido cearense.

Conta-nos, Germínio Filho, seu parceiro de carteado e da vida-vivida, que Jacaré botou uns três ramos comerciais, e, infelizmente, não obteve êxito, apesar do esforço.

Certo dia, os amigos em comum, estavam no simpático restaurante do Ronaldo Lins, naquele município tauaense, quando chegou Antonio Apresentado que, de logo, foi tirar satisfação e puxar conversa fiada:

- Mas Jacaré, você já fechou o novo comércio e quebrou de novo; e agora, de qual ramo vai viver?

Sentindo-se insultado, e em tempo de eleições, Jacaré respondeu no ato: Vou agora viver de “PÓ-LÍ-TI-CA” seu besta.