sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

UM PREFEITO EM ALTA: AGENOR NETO

É cada vez mais forte a possibilidade do prefeito de Iguatu, Agenor Neto (PMDB), ser o candidato do PSDB ao Governo do Estado em 2010.
Não é a toa que o Município administrado pelo peemedebista foi escolhido como sede para o primeiro encontro regional do PSDB, que acontece em março, visando às próximas eleições. Os indícios que reforçam a hipótese de Agenor Neto - que até 2006 integrava o ninho tucano - ser o nome escolhido pelo PSDB para concorrer ao comando do Palácio Iracema aparecem, por exemplo, nas justificativas dadas para a escolha de Iguatu como sede do primeiro de 11 encontros regionais que serão coordenados pelo Instituto Antônio Vilela, órgão de formação política ligado ao PSDB.

Para o deputado federal Gomes de Matos (PSDB), um dos fatores preponderantes para a escolha de Iguatu é a oportunidade de mostrar às lideranças do Interior “o trabalho que Agenor vem fazendo”.
O presidente estadual do PSDB, Carlos Matos, também não economizou elogios. “Ele (Agenor Neto) é um nome que tem brilhado muito. Conseguiu melhorar o patamar da cidade e tem se credenciado como gestor”.
Entretanto, tanto Gomes de Matos como Carlos Matos preferem não dar como certa a escolha para concorrer pela sigla tucana ao Governo. Os dois destacam que o principal objetivo dos encontros é construir um projeto de desenvolvimento para o Estado até 2020. “Muito mais que nomes, queremos buscar um projeto”, ressaltou o deputado tucano.
FONE: JORNAL O POVO.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

MATADOURO DE ICÓ DEVE SER FECHADO

Bertolt Brecht um dia definiu que o pior “analfabeto é o analfabeto político”. Pois, ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos. Não se preocupa com o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do remédio, que dependem das decisões políticas.

Pois bem, passado estes prolegômenos, que fiz questão de parafrasear, em 1992, resolvi entrar para a vida pública.

Mas antes explico. Todo jovem tem em si a rebeldia de querer consertar o mundo, por suas razões, por seu sentimento do “politicamente correto”. À época, com pouco mais de 20 (vinte) anos, entendia, em tese, no meu juízo que todos estavam errados e, eu claro, seria o correto.

Num jantar na residência do então Deputado Estadual Antônio Câmara, ao lado de diversos parlamentares, em 1990, resolvi criticar a postura dos políticos, precisamente os que faziam a Assembléia Legislativa do Estado do Ceará, pois, a maioria entrava calado e saia mudo.

Daí, no meio da boa discussão, de bom nível e de forma ampla, o então Deputado Nilo Sérgio, de Várzea Alegre, não se intimidou com a situação e perguntou: o que você jovem que tanto faz críticas aos políticos, está fazendo para mudar a situação do Ceará, do Brasil, do Icó?

Pergunta simples, para resposta obvia: nada.

Não que precise ser candidato a qualquer mandato eletivo, para dá sua contribuição à sociedade. Às vezes, o fazemos até melhor sem a necessidade de ser vereador, deputado, prefeito, etc.

Mas, infelizmente, a luta por melhores dias, de forma isolada, tendo em vista o medo da maioria em espernear os seus direitos, os seus queixumes, torna-se uma “folha diante de um furacão”.

Hoje, não exerço qualquer mandato eletivo. Nas funções que desempenhei, vereador e vice-prefeito em duas oportunidades, registro sem modéstia, que o fiz muito atuante.

Porém, confesso que não consigo ser somente eleitor, cidadão que paga impostos, vai e volta do trabalho, faz a feira, beija a esposa e os filhos, vira e dorme.

Como seria fácil ser analfabeto político em Icó, sem ganhar malquerenças de ninguém, sempre dando o silêncio como resposta ou apenas aplaudindo as “autoridades’” e quem do poder delas se locupleta.

Esta salada de verbos que escrevo, é para informar que protocolei no Ministério Público de Icó e, na SEMACE, em Fortaleza, REPRESENTAÇÃO com PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS, com trinta e duas fotografias atualizadas do local, para o fechamento imediato do Matadouro Público de Icó, apelidado de “lixão”, responsável pelo abate de carnes em nosso torrão.

O Matadouro Público de Icó é um atentado a saúde pública dos icoenses, fere todas as regras da Organização Mundial de Saúde – OMS.

Não espero e nem quero, um dia no futuro por esta atitude, o reconhecimento do povo, até porque, estou cuidando também da saúde dos meus.

Até breve!

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

CARNAVAL: PAZ E SILÊNCIO EM ICÓ

Faz vários anos que não temos comemoração de carnaval em Icó. Sede e sertão escutam as marchinhas da festa apenas nas ondas das rádios comunitárias.

Nos últimos dias, quem saiu às ruas da urbe, pouco teve a oportunidade de encontrar alguém para o bom bate-papo do interior, das rodas do cafezinho quente do mercado. Era um silêncio só.

A história registra extraordinários carnavais em Icó. O Cabana Clube, palco principal das festanças icoenses, concentrava dois espaços: a tarde era a vez das crianças. À noite os adultos se melavam nesta festa maluca, chamada carnaval.

Atualmente, a maioria dos moradores prefere a passagem do feriado para fazer cultos de carinho à família, ao descanso na zona rural, ao encontro com a reflexão.

Alguns partem para a cidade do Orós (CE), que dista pouco mais de 30k de Icó e, mais adiante, para a bela Aracati – 220km, que tem enorme semelhança com nosso rico Patrimônio Histórico.

O carnaval em Icó, na verdade, se esgotou completamente, há mais de vinte anos. O nosso único clube, à época, estava totalmente ocioso, quando Francisco de Assis Tavares, resolveu então candidatar-se e, eleito, assumir sua presidência.

Seu primeiro trabalho, foi exatamente promover a festa momina. Daí uma tragédia que atormenta os nossos corações até os dias atuais, repetidas a cada ano, a cada fevereiro.

Em plena festa, ao pedir gentilmente que um “irresponsável” que promovia uma quebradeira no patrimônio e nos utensílios do clube, para retirar-se do local, onde daria acesso à alegria da criançada, eis que teve sua vida ceifada pela ignorância do bípede de alta periculosidade. Assis partiu da vida terrena, deixando-nos enormes lembranças.

O criminoso e ladrão de vidas, até hoje ninguém sabe, ninguém viu. Em lugar incerto e não sabido, marca o caminho da impunidade brasileira.

Icó nunca mais foi à mesma em relação a esta festa.

O carnaval deixou de existir na prática para os icoenses, desde aquele fatídico dia.

CAMPANHA DA FRATERNIDADE DE 2009 DISCUTIRÁ SEGURANÇA PÚBLICA

Para a Igreja Católica, a Quarta-feira de Cinzas (25) marcará o início da reflexão e dos debates sobre a segurança pública no país.

Nesta data será lançada, pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Campanha da Fraternidade de 2009 com o tema Fraternidade e Segurança Pública.

A proposta é estimular o debate sobre as causas da violência, contribuir para a promoção da cultura da paz na sociedade e a construção da justiça social.

O lema da campanha, que estará estampado nos cartazes, será "A PAZ É FRUTO DA JUSTIÇA".
Tema que costuma causar polêmica, a maioridade penal está entre os assuntos a serem discutidos. Serão também abordados os diversos aspectos da violência como o racismo, a violência no trânsito, contra os povos indígenas, no meio familiar, a praticada por policiais e contra os policiais.

As discussões não deixarão de fora o lado político. Um dos objetivos específicos da campanha é denunciar a gravidade dos crimes contra a ética, a economia e as gestões públicas, assim como a injustiça presente nos institutos de prisão especial, de foro privilegiado e de imunidade parlamentar para crimes comuns.

FONTE: AGÊNCIA BRASIL.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

EMANCIPAÇÃO DE ICOZINHO

No último domingo (15\02\2009), a Assembléia Legislativa do Estado do Ceará, através da presidência da comissão de triagem, elaboração de projetos e criação de novos municípios, sob a coordenação do Sr. Luiz Carlos Mourão, Dr. Arnaldo Lemos e Luiz Carlos Farias, realizou uma grande reunião no Distrito-Sede de Icozinho, com o fito de preparar a comunidade para sua possível emancipação administrativa.

As discussões, críticas e propostas, ocorreram no templo da Igreja Assembléia de Deus, naquela localidade, que gentilmente cedeu o seu espaço, às 11:00h, com a participação de quase mil pessoas, entre elas presidentes de associações comunitárias, empresários, moradores, sindicalistas, religiosos, políticos e imprensa.

Todos os debates foram transmitidos ao - vivo pela rádio comunitária Verde-Vale, do Icozinho, que tem como diretor-geral, o radialista Francisco Ferreira.

Os coordenadores do evento mostraram aos presentes os dados estatísticos do IBGE, onde prevê a viabilidade do Icozinho em tornar-se município já nas eleições vindouras.

Os oradores destacaram o apoio do Deputado Domingos Filho (PMDB), que desde o seu primeiro mandato, em 1994, tem feito um trabalho incansável pela causa emancipalista.

A lei complementar no. 07\2003, de autoria do Presidente da Assembléia, apresenta o seguinte quadro comparativo:

POPULAÇÃO SUPERIOR A 8 MIL HABITANTES;
ELEITORADO NÃO SUPERIOR A 40%;
CENTRO URBANO DE PRÉDIOS CONSTRUÍDOS SUPERIOR A 400;
ENERGIA ELÉTRICA, ABASTECIMENTO DÁGUA, ESGOTO SANITÁRIO, COLETA DE LIXOS;
VIABILIDADE MUNICIPAL;
POSTO DE SAÚDE;
POSTO POLICIAL;
ESCOLA DE ENSINO INFANTIL E FUNDAMENTAL;
EDIFICAÇÕES PARA CÂMARA E PREFEITURA;
TELEFONIA COMERCIAL E RESIDENCIAL;
POSTO DE COMBUSTÍVEL E GÁS DE COZINHA;
CORREIOS;
DISTÂNCIA MÍNIMA DE 10K DA SEDE DO ICÓ.

Participaram dos debates, as seguintes lideranças políticas do Icó: Jaime Júnior (PSDC), ex-prefeito de Icó. Os atuais vereadores Edjalma Moreira (PP), Gilberto Barbosa (PSDB), Júnior Dantas (PRB), Maria do Cal (PSL).

A prefeitura foi representada pelo Secretário-Adjunto da Articulação Política, Gildomar Ferreira Gonçalves, que justificou as ausências do prefeito Marcos Nunes (PMDB) e, do deputado Neto Nunes (PMDB), mas afirmando ao público que eles concordam que Icozinho transforme-se em cidade com a maior brevidade.

O Dr. Luiz Jorge, empresário e advogado, filho ilustre do Icozinho, foi quem tomou a iniciativa de promover o debate público, onde envolveu praticamente toda a comunidade e as lideranças políticas com maior representação no Icó e no distrito em referência.

O Senado Federal já aprovou a legislação acerca das emancipações de municípios. A Câmara com certeza irá ratificar as decisões. Conseguimos convencer o Governador Cid Gomes sobre o projeto e idéias dos novos municípios. Por fim, a grande vitória, o Senador Tasso Jereissati (PSDB), que sempre foi contra esta iniciativa, hoje defende que o Ceará deve crescer com os novos Municípios”, destacou Luiz Carlos Mourão, que preside a Comissão Pró-Emancipação na Assembléia.





sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

SEXTA-FEIRA TREZE EM ICÓ

Estamos em Icó, em treze (13) de fevereiro de 2009. Uma sexta-feira.

Dia 13 de qualquer mês, é considerado popularmente como passagem de azar.

O número 13 é considerado de má sorte. Na numerologia o número 12 é considerado um número de coisas completas, como 12 meses no ano, 12 tribos de Israel, 12 apóstolos de Jesus ou os 12 signos do zodíaco.

Já o 13 é considerado um número irregular. A sexta-feira foi o dia em que Jesus foi crucificado.Somando o dia da semana de azar (sexta) com o número de azar treze (13), temos o mais azarado dos dias.

Esta superstição pode ter tido origem no dia 13 de Outubro de 1307, sexta-feira, quando a Ordem dos Templários foi declarada ilegal pelo rei Filipe IV de França; dessarte, os seus membros foram presos simultaneamente em todo o país e alguns torturados e, mais tarde, executados por heresia.

Outra possibilidade, repita-se, para esta crença está no fato de que Jesus Cristo provavelmente foi morto numa sexta-feira treze, uma vez que a páscoa judaica é celebrada no dia 14 do mês de Nissan, no calendário hebraico.

Pois bem, estamos em Icó!
Dia chuvoso, clima ameno. É verdade. É Icó.
Daí, para completar a susperstição em referência, eis que de repente, às 17:00h deste fatídico dia, “uma grande carreata” percorre as ruas da cidade, automóveis pequenos, médios e grandes, desfilam, elegantemente, noticiando o glamour de sua existência.
Atônitos, mulheres e homens do Icó, nada sabem o que está acontecendo.
Cerca de 13 (treze) carros novos abrem os caminhos da urbe. A FUNERÁRIA CAMINHO DO CÉU, enfim, esclarece que é ela que está se instalando no Município.
Algo não poderia ser mais assombroso e, ao mesmo tempo, pitoresco pela característica da inauguração, transformada em evento, que chamou a atenção de todos. Só no Icó nós temos algo parecido assim.
Em 39 anos de existência, pela primeira vez, tive a oportunidade de assisti a inauguração de uma funerária.
O vereador Edjlama Moreira (PP), que não deixa por menos os fatos da história do Icó, foi taxativo e real, diante do que pôde ver: “O Icó realmente esta morto. Temos que ressuscitá-lo”.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

CONTO: TUTUBARÃO DE NOVO NO ATAQUE.

Por ser um nome famoso, o conto nos chama a atenção por duas letras que antecedem o conhecido peixe – o Tubarão, gordo e valente, com fendas branquiais laterais, particularmente as espécies de grande tamanho.

O Tutubarão é traiçoeiro; embora no Icó, como tudo é diferente, o peixe grande e gordo sempre é traído, por falta de amor recíproco.

Em Icó existem tubarões, aliás, TUTUbarãoes, que militam na área do saber, mesmo sem educação alguma e senso de amor ao próximo.

Não ensina o TUTUbarão as piabas e trairas, que nadar bem é lindo e belo, sem precisar assumir por autoridade própria qualquer título, e encargo, rasgando a dignidade de quem precisa viver nos lagos que secam e enchem em cada inverno, particularmente a cada quatro anos.

Tudo é uma onda, vem e vai. TUTUbarão parece não conhecer bem a história de nossos oceanos, lagos e rios.

O Tutubarão icoense ama o poder. Já passou por todos. Não se locupleta com a simples função de nadar em águas frias ou quentes.

Quer o regozijo do sofrimento dos peixes pequenos, indefesos, que um dia nadaram ao seu lado, mais não conheciam sua vaidade e amor pelo mando, capaz de querer infinitamente chamar pra si a atenção dos pescadores e predadores.

Como é ruim o TUTUbarão, que se sente feliz com a desgraça de sua própria classe de peixes e trairas.

Esquece o TUTUbarão, diante do seu ataque, “que ninguém perde de vista o inimigo”, mesmo em águas turvas.

Fica a reflexão deste conto imaginário.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

RIO SALGADO ASSUSTA IRRIGANTES E RIBEIRINHOS

Em 1997, tive a oportunidade de visitar Brasília (DF) pela primeira vez na condição de Vice-Prefeito Municipal de Icó, eleito no certame eleitoral, que acabara de encerrar.

Como todo matuto em terra do outros, a primeira iniciativa era procurar conterrâneos ou familiares, antes das obrigações institucionais.

No primeiro dia, visitei o então bancário Diassis Pereira, que foi transferido para o Distrito Federal, em momentos difíceis da relação Banco do Brasil e seus funcionários.

Diassis não pensava outra como bom filho da terra icoense: retornar as suas origens.

Nos dias seguintes, procurei Ministérios, protocolei projetos para dá seguimento ao que se pretendia para o torrão.

Por sugestão de Simone Barreto, minha prima que hoje se encontra ao lado do pai celestial, dividindo bondade e amor infinito, passei no DF o final de semana na casa de Euler Sampaio (irmão de Simone).

Que sujeito extraordinário, com extensão a toda sua família.

Entre o saudosismo e alguns goles de cerveja bem gelada, para espalhar o calor de Brasília, descobri que Dr. Euler era Chefe de Gabinete do então Ministro da Integração Nacional, Dr. Fernando Catão, no governo de Fernando Henrique Cardoso.

Principiante em política, à época, com pouco mais de 25 anos de idade, demorei a entender dá importância do meu primo em significativa função da República, inclusive que poderia, naquele momento, alocar recursos para melhorar a qualidade vida do povo icoense.

Com bom papo e boas discussões, sonhos e desejos, e principalmente espírito público, procurei saber o que o Ministério da Integração Nacional, poderia oferecer para nossa terra.

Daí restou à iniciativa para a construção dos DIQUES DE PROTEÇÃO, para combater o valente Rio Salgado, que corta o nosso Município de ponta-a-ponta, importante marco da nossa existência, mas, que em períodos de inverno, assusta as comunidades Ribeirinhas (São Geraldo, Matadouro, Senhor do Bonfim, DNER, Prainha do Salgado, São Vicente) e diversos conjuntos do Perímetro Irrigado Icó Lima-Campos, com as forças de suas águas, transformando o progresso em destruição.

Os diques de proteção da zona urbana foram construídos, em que pese à irresponsabilidade do gestor à época que não o fez a contento, mesmo com recursos federais e a custo zero para a municipalidade, fruto inclusive de investigação se todo o dinheiro daquela importante obra fora aplicado de fato e de direito.

Todavia, seria pior para os ribeirinhos do DNER até a Prainha do Salgado, sem a existência do enorme paredão de concreto.

No Perímetro Irrigado, a situação é bem mais grave. Os diques de arrimo foram todos destruídos no último inverno. Os sertanejos dos Conjuntos Pedrinhas e adjacências perderam quase todos os seus utensílios domésticos, lavoura e, por pouco, não perderam as vidas.

As chuvas já anunciam que estão de volta. Que estão chegando. O medo toma conta de muitos.

Durante várias eleições o Perímetro foi utilizado, por suas dores, como instrumento de voto.

Espero que àqueles que se aproveitaram da desgraça alheia, durante muitos anos, façam alguma coisa urgente, pois, o inverno está chegando, com ele o medo do povo do PERÍMETRO e RIBEIRINHOS do Rio Salgado.






segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

A CADEIA, A DESIDRATAÇÃO E O TEMPO

Durante muitos anos funcionou em Icó, na Casa de Câmara, no centro histórico da cidade, a cadeia pública que abrigava aqueles que feriam o ordenamento jurídico penal.

Presos provisórios ou condenados ficavam por uns bons períodos ali trancafiados.

Além de chamar a atenção por sua beleza arquitetônica, com arquitetura neoclássica, a cadeia icoense tinha algo de muito pitoresco e histórias marcantes.

Francisco Cizota Tavares, o Cizota (carcereiro), contava lances imaginários e verdadeiros.

Dentre os quais, que o “sino” posto na entrada do ergástulo nunca poderia ser tocado, pois era anúncio de mortes e violência.

O carcereiro Cizota também chamava pra si algo de diferente, principalmente por ter o “tronco” bem maior do que o restante do corpo e sempre ter em seu poder a “chave da cadeia”, que pesava vários quilos e era enorme.

O comportamento do preso, repassado ao juiz da comarca, era feito verbal, pois Cizota escrevia poucas linhas.

Foi-se da vida terrena, mas virou marco da nossa cultura. No livro do escritor icoense, Dr. Francisco Peixoto, tem diversas passagens deste personagem de nossa história.

Pois bem, ainda no governo de Fernando Henrique Cardoso, em 2001-2002, através do projeto nacional MONUMENTA, o Icó e seu patrimônio histórico receberam vários recursos do Governo Federal, inclusive do Governo do Estado, para a recuperação e preservação de suas igrejas e casarões.

Daí surgiu à idéia de transformar a velha cadeia em centro de artes, cultura e memória; o museu do ciclo do couro; um centro de informações turísticas; lojas de artesanato; restaurante, biblioteca municipal e a casa do cidadão, unidade especializada em expedir documentos pessoais para a população.

Doravante, os presos foram transferidos dali, para uma “cadeia improvisada”, sem segurança alguma, na avenida Ilídio Sampaio, para que as obras tivessem início, mesmo sem higiene e condições humanas para a permanência destes.

A estada seria efêmera, diziam.

O padre José Augusto fez um grande levante, tendo em vista a situação de inanição e adequações, vistos naquele local, para que surgisse uma solução para os presos.

O Governador do Estado, à época, Dr. Lúcio Alcântara, um amante das artes e da cultura dos nossos povos, prometeu construir uma nova cadeia no município, distante do centro histórico e dentro das normas estabelecidas.

Em 2006, em pleno período eleitoral, teve, enfim, o início da obra (cadeia de Icó), localizada agora no perímetro irrigado Icó\Lima-Campos.

Hoje, fevereiro de 2009, os presos continuam no improviso da Avenida Ilídio Sampaio. Os obdientes que desejam as suas liberações por alvarás, sair pela porta da frente, esperam silentes. Outros tantos, fogem e desaparecem como uma evaporação. Mais de cem presos fugiram nos últimos três anos.

A nova cadeia está com 90% de sua conclusão e com os trabalhos paralizados há dois meses, sem uma definição do Governo do Estado. Os empreiteiros afirmam que não estão recebendo, pela medição da obra.

E agora ?

Neste lapso de paralização, aproveito para lembrar que após sua conclusão, o padre José Augusto, inquieto como o é, novamente vai levantar questionamentos, pois naquele ambiente opaco, de cimento e muito ferro, não tem uma tomada sequer nas celas.

Mesmo que sejam regras da Secretaria de Justiça, num clima quente como o nosso, não tem a mínima condição de qualquer pessoa surportar calor maior do que 40 ou 50 graus.

Fazer justiça não é sacrificar pessoas. Humilhar ou assoitá-las. Quem erra é humano. Quem parmanece no erro e diabólico. Todos merecem uma segunda chance.

Se o projeto original permanecer, os presos vão sair duma lixeira humana atualmente, para diretamente aos leitos dos hospitais, por desidratação, resultante de perda de água corporal.

O assunto merece maiores comentários.

Com a palavra a Secretaria de Justiça do Estado do Ceará.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

A FACE DA POLÍTICA ICOENSE

O ser - humano por sua própria essência é político. Nasce político. Está escrito desde o começo da religião, os seus primórdios na história da cultura humana. Quer pela definição do instrumento capaz de apreender a realidade e pensamento.

Em Icó, particularmente, tem que ser partidário, não basta ser político no sentido amplo de sua definição. Tem que ter um “lado”, mesmo que o “sujeito da história”, o eleitor ou liderança de repente descubra que seu aliado seja sujo pelas idéias, pelas ações, pela incompetência, pela corrupção. Daí não queira mais pra si, pra sua cidade a condução de seus destinos.

Doravante a posição tomada, firmada, vem o pior, pois o antigo “colega de lado”, deseja que você permaneça até o fim da vida o apoiando, sob pena de ser chamado de Judas, o traidor que teria entregado o mestre Jesus de Nazaré por trinta moedas de prata aos inimigos.

Aqui, na terra do Senhor do Bonfim, chamada Icó, também permaneceu durantes anos a fio, a disputa entre dois “lados”. Como eram interessantes, os adjetivos postos pelos litigantes, nos períodos eleitorais e depois deles. A idéia central, repassada aos ingênuos eleitores, era que “um” representava a elite conservadora que tinha horror aos pobres mortais e deles não fazia conta alguma. O “outro”, digno representante da violência, de lampião do nordeste, sem profissão e preparo intelectual.

No meu baú histórico, encontrei dezenas de cd’s, gravados de alguns pronunciamentos públicos, do doutor e do matuto: “Este senhor é tão ruim que o sol do Icó não tem poder de cobrir as suas maldades”. Mais adiante, ouve-se a resposta: “Já dizia o ditado, dizem com quem tu andas que direis quem tu és”. Completando o sentimento verdadeiro que um tem do outro. Os “lados” parecem se conhecer profundamente.

De repende, nas eleições de 2008, os valentes políticos, acordam e de público afirmam que o amor é lindo, que as qualificações que faziam entre si, eram apenas “anedotas” do mundo eleitoral, e que precisam se unir para o bem de todos.

O “poder” e o “bônus” que os atrai, demonstram claramente que Icó vai muito mal. Mal mesmo. Na prática, o resultado do que aqui se afirma após eleitos, indicam os familiares de “um lado” e do “outro lado”, que assumiram as secretarias municipais. E viva a união. E viva a família dos dois lados, pois agora estão seguros e por quatro anos estarão empregados, sem a necessidade de apresentação de currículos e de aptidão para o exercício da função pública.

Os erros buscam as soluções. É verdade. Mas não ficou suficiente provado que o interesse por um Icó melhor era maior do que o ódio que sentiam um pelo o outro.

É histórico, Maquiavel já se manifestava há séculos, afirmando que quando duas oligarquias se unem, é porque estão frágeis e temendo perder o “poder”, são obrigadas a se abraçarem. Não existe amor e nem convergência. Ninguém perde de vista o inimigo.

Não há discussão alguma. Os projetos, a maioria no improviso, são os mesmos: clientelismo, nepotismo, perseguição aos que não disseram sim as pretensões eleitorais no certame pretérito. O que sobra, são buscados junto ao Governo Federal, ressaltando que os valores chegam e saem dos cofres públicos, mesmo sem a devida prestação de contas, segundo o Ministério Público Federal, em Recife, que busca ressarcir ao erário municipal de Icó, enormes quantias que, em tese, deixaram de ser aplicadas, principalmente em saneamento básico e saúde.

Quando recebi o chamado para ser vice-prefeito de Icó, em 1996, o discurso era que a nossa candidatura tinha por objetivo por fim a velha oligarquia, que imbricada de tal maneira aos costumes arcaicos e perversos, não poderia mais ter seguimento.

Hoje, vejo a carruagem passar diante dos meus olhos, com todos os oligarcas juntos, alguns na frente, outros bem atrás e muitos de carona achando que fizeram “grande coisa”.

Fica a reflexão.

Finalmente, a pergunta: quem é o verdadeiro Judas do Icó?

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

BRASIL-FM: PATRIMÔNIO DO POVO ICOENSE

Era outubro de 2000 em Icó.

Localizada no semi-árido nordestino adentrávamos o ano novo com os mesmos queixumes do passado: falta de emprego, oportunidades, saúde e educação a desejar, enfim, o nosso torrão com a mesma cara de sempre.

Mas algo novo estava acontecendo, chegando bem cedinho aos lares do “povo da terra dos icós” até o orvalho da madrugada. Entrava no “ar” em outubro de 2000, a rádio Brasil-FM, administrada com ousadia, senso crítico, coragem e competência, pelo radialista Rubens Brasil, com apoio de sua valorosa equipe.

Em que pese já existir, à época, as rádios Icó-FM e Papagaio - FM, que detém os seus valores, estas não locupletavam as informações buscadas por nosso povo.

A Icó - FM centrava sua programação, como, aliás, até os dias atuais, apenas no conteúdo religioso, sem aumentar a sua grade para os diversos setores da sociedade.

A Papagaio - FM, com seus excelentes radialistas, resolveu oficializar-se como instrumento político-partidário de seus dirigentes. Nenhuma palavra contra os mandatários e chefes políticos. Perdeu audiência por isto.

Neste aspecto, as cores da democracia, como em forma de arco-íris, existem apenas na programação da BRASIL-FM.

Os temas mais importantes da sociedade, todos os dias, são discutidos na emissora.

Segurança pública, religião, esporte, política, social, lazer, família, artes e culinária, direitos, deveres e cidadania, juventude e esperança, nada passa despercebido.

Na madrugada, o talentoso Velho Silva, com galhardia invoca Luiz Gonzaga, Flávio José e tantos outros no tocar da sanfona, para embalar os nossos corações saudosos.

Na manhã, R. Sousa interage com a juventude. Balança e canta o novo. Anuncia um “bom dia” a todos.

Os religiosos se apresentam nas proximidades do meio-dia, chamam o povo para através da fé, tirar o chapéu e dizer amém ao mestre Jesus de Nazaré.

São doze horas. Chega à vez de Richard Lopes, com o patrulha policial. O ambiente ainda envolto pelos evangélicos, que acabara de deixar os estúdios, transformar-se no mundo desumano, desigual, onde a violência atrapalha a paz. A harmonia. É a realidade do mundo “cão”, apregoa Richard Lopes, um dos campeões de audiência da emissora.

São 13:00h no Icó e na Brasil-FM. Inicia-se o que há de mais completo e dinâmico programa popular do rádio icoense: programa Rubens Brasil, que leva o nome de seu editor e diretor administrativo dá a famosa boa tarde e diz que está chegando.

Com a parceria de Elem Lima e Wiltom Menezes, dois novos valores do rádio, o Icó se transforma em ouvidos nos lares, bares, igrejas, comércio, em casa e no trabalho, no sertão e na cidade, é uma unanimidade.

Ninguém perde o programa Rubens Brasil. Tudo que ali é anunciado vira rápido comentário nas ruas da cidade e correm os sítios e lugarejos.

É domingo. A arte literária também tem seu valor e espaço. Moacir Brasil, poeta e locutor, ensina que fazer bonito "é cantar em prosa e verso". O resto é cultura descartável.

Doutores Paulo e Juscelino Andrade, extraordinários médicos veterinários, recomendam aos nossos agricultores e pecuaristas, como cuidar do rebanho. Como combater o mal dos insetos e pragas da roça. O programa dos nossos “doutores” é um show de qualidade. Tem ainda, os homens das ciências ocultas, que em troca de algumas velas, prometem resolver casamento atrapalhado, alcoolismo e como se livrar do mau vizinho. Oxalá...Oxalá.

Assim é a Brasil-FM: informação diversificada e de bom gosto.

Rubens Brasil ganhou crédito e respeito.

O Icó ganhou um patrimônio de todos: RÁDIO BRASIL-FM.

SINDICATO DOS SERVIDORES PERDEU A MARCA DA INDEPENDÊNCIA E DA LUTA POR DIAS MELHORES PARA SEUS MEMBROS

O Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Icó – (SINDSEMI), foi criado neste município nos primeiros meses da gestão do então prefeito Cardoso Mota, em janeiro de 2005.

Preliminarmente, a iniciativa de se implantar o sindicato, se deu para congregar todos os funcionários públicos, em todas as suas categorias e secretarias, pois, logo após sua assunção como chefe do Palácio da Alforria, Cardoso Mota (PSDB), resolveu largar os discursos dos palanques, onde pregava paz e amor por um Icó melhor e, resolveu então, demitir de forma sumária, anulando o concurso público, cerca de mil funcionários.

Ademais, além das demissões, resolveu aquele prefeito, transferir de seus postos de trabalho, para locais longínquos da cidade, centenas de servidores que não votaram consigo nas eleições pretéritas (2004).

Professora que ensinava a ler e escrever na Escola Manoel Antonio Nunes, em pleno centro comercial da urbe, teve que se deslocar para o sítio Santana, na zona rural, que dista 30k da sede, pelo simples fato de ter-lhe negado o voto, para citar um exemplo.

Lembrando que a folha de pagamento chegou a ficar até quatro meses em atraso. Alguns contratados, não chegaram sequer a receber os seus salários durante todo o mandato. Um desastre.

Josafá Alves da Silva foi eleito o seu primeiro presidente.

Organizou e abriu a sede da instituição, uniu e fez entender os servidores da importância da categoria em defesa de seus direitos. Foi à luta, com muita dignidade, em várias audiências com promotores e juízes, no fórum local e, até mesmo, em Fortaleza e Iguatu.

Enfrentou, em bom debate o prefeito Cardoso Mota e seus secretários, bem como foi à rádio Brasil-FM prestar contas de sua administração, reivindicar direitos, agradecer os atos corretos e denunciar os absurdos.

Pois bem, Josafá Alves da Silva, fez à diferença e mostrou qualidade para o qual fora eleito por sua categoria, enquanto esteve à frente do Sindicato.

No final de 2008, convocou eleições e de forma transparente abriu as portas para que a democracia fosse exercida na sua plenitude.

Chapas postas. Josafá colocava-se para continuar o trabalho até então desenvolvido. Helida, a concorrente, dizia-se renovação e luta.

Ao final, Helida se elege a nova presidenta do SINDSEMI, com apoio explícito do prefeito Marcos Nunes e de toda sua equipe política.

Em que pese tratar-se de excelente pessoa, afável, aberta ao diálogo, mais estava claro que Helida não consegueria dá desenvolvimento ao trabalho junto aos servidores, com a mesma altivez de Josafá.

Por quê? Muito simples: estava envolvida demais com os “NUNES”, atuais gestores municipais, onde em regra, Sindicato de situação pouca funciona. Vira peleguismo mesmo. Sem esquecer de lembrar que durante todos os períodos em que estes líderes estiveram na prefeitura de Icó, sempre Helida assumiu importantes funções em cargos de confiança.

Não entenda com este argumento, um patrulhamento ideológico em desfavor da Helida, a quem reconheço como prestimosa cidadã icoense, excelente agente pública.

Infelizmente, não deu outra.

Helida na presidência calou-se diante das transferências por perseguições do atual prefeito Marcos Nunes; da redução de salários e carga horária; da falta de pagamento da folha dos contratados e concursados no final de 2008. O silêncio entrou no lugar do debate, da reivindicação, do grito muitas vezes por garantias de direitos.

Letargia é a bandeira do Sindicato atualmente.

Não se sabe ainda porque em pouco tempo de trabalho, já renunciaram seus postos na Diretoria, as professoras Aurineide Amaro e Claudinha.

Finalmente, é mais uma categoria, pelo que se analisa até o momento, a não ser que façam profundas reflexões, que caminha para o fechamento e passará no final para a história como o SINDICATO QUE JÁ TEVE EM ICÓ.

Texto escrito por Fabrício Moreira da Costa.


4,5 MILHÕES LÍQUIDOS NA PREFEITURA EM JANEIRO DE 2009.

A PREFEITURA MUNICIPAL DE ICÓ, ATRAVÉS DOS REPASSES INSTITUCIONAIS, RECEBEU QUASE CINCO MILHÕES DE REAIS, EM JANEIRO DE 2009, JÁ DESCONTADOS AS OBRIGAÇÕES SOCIAIS, COMO: INSS, PASEP, INSS-EMPRESA, PMAT, DEDUÇÃO FUNDEB E DEDUÇÃO SAÚDE.

RESSALTEM-SE QUE ESTES VALORES JÁ SÃO LÍQUIDOS, OU SEJA, QUASE CINCO MILHÕES APENAS PARA PAGAR SERVIDORES E ALGUMAS OBRIGAÇÕES DA MUNICIPALIDADE.

AS INFORMAÇÕES FORAM ACESSADAS ATRAVÉS DOS SITES OFICIAIS DO BANCO DO BRASIL, DATASUS, SEFAZ E FNDE, DENTRE OUTROS. TODOS DEVIDAMENTE PÚBLICOS E DE FÁCIL NAVEGAÇÃO NA INTERNET.
CONFIRA-OS.
PROCUREM SABER O QUE RECEBE O SEU MUNICÍPIO E, PRINCIPALMENTE, A ONDE SÃO APLICADOS ESTES ENORMES VALORES.

VEJAMOS:

FPM: R$ 1.627.233,18
FEP: R$ 14.529,43
ICMS: (DESONERAÇÃO) R$ 1.376,52
ICMS ESTADUAL: R$ 194.113,64
CID: R$ 19.036,93
FUNDO SAÚDE: R$ 273.661,01
FUNDEB (EDUCAÇÃO): R$ 1.382.316,38
SNA: R$ 1.854,95
FNDE: R$ 48.711,40
DATASUS (SAÚDE): R$ 736.033,11
IPVA: R$ 120.000,00

VALORES LÍQUIDOS: R$ 4.418.866,20
(QUATRO MILHÕES, QUATROCENTOS E DEZOITO MIL, OITOCENTOS E SESSENTA E SEIS REAIS, VINTE CENTAVOS).

INFORMAMOS QUE AINDA FALTAM PARA DIVULGAÇÃO, AS SEGUINTES TAXAS: IPTU, ISS, ITBI, SAAE, ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO, TAXA DE TOPICS, ABATE BOVINO, LICENÇA SANITÁRIA, ETC.
ATÉ O DIA 15 DE FEVEREIRO DE 2009, TRAREMOS MAIS DETALHES ACERCA DA ARRECADAÇÃO DO MUNICÍPIO DE ICÓ, EM JANEIRO DE 2009, NA ADMINISTRAÇÃO DO PREFEITO MARCOS NUNES (PMDB).

SÓ LEMBRANDO: O ENTÃO PREFEITO CARDOSO MOTA (PSDB), QUE TERMINOU O SEU MANDATO EM DEZEMBRO DE 2008, ATÉ OS DIAS ATUAIS, AINDA NÃO PRESTOU CONTAS DE SUA DESASTROSA GESTÃO, FRENTE À GUERREIRA ICÓ, NO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS – TCM.

FALTAM TRÊS MESES.

O QUE ESCONDE CARDOSO MOTA E SEUS CORRELIGIONÁRIOS?
SÓ ELES SABEM...

(AGRADECIMENTOS AO VEREADOR FLAMARION PEREIRA, PELA AJUDA NAS INFORMAÇÕES).

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

VALORES RECEBIDOS PELA PREFEITURA EM JANEIRO DE 2009

Nesta quarta-feira (04\02\2009), com exclusividade neste blog, estaremos divulgando os valores de todos os recursos que abarrotaram os cofres públicos em janeiro de 2009, já na gestão “Novo Tempo”, do prefeito Marcos Nunes (PMDB).

Acompanhar a administração, principalmente onde está sendo aplicado à dinheirama, faz parte do Estado Democrático de Direito e do papel que deve ser exercido pela sociedade livre de Icó.

Primeiro divulgaremos o total dos valores recebidos. Depois, em tempo oportuno, onde foram gastos.