O BLOG QUE FALA SÉRIO! fabriciomoreiraadv@gmail.com .

segunda-feira, 2 de maio de 2016

VALDIR, A PROMISSORA E O 38.




Valdir Batista, nosso simpático Didi, chegou ao Icó (CE) pelas mãos do festejado empresário Antonio Sobreira que, à época, era proprietário da maior empresa de venda de cervejas do município e região, a “Antárctica”, nos meados dos anos 80.

Valdir Batista era um de seus principais vendedores de bebida. Percorria todo o Vale do Salgado e parte do Vale do Jaguaribe.

Sobreira era rígido e prestava contas, semanalmente, com seus funcionários, principalmente com Valdir, que vez por outra, as operações matemáticas não fechavam de forma científica, como são todas as contas – débitos e créditos.

Pois bem, Valdir Batista, competente vendedor, vendeu 20 (vinte) grades de cerveja(s) e mais 20 (vinte) de refrigerantes, ao Senhor Chico Diógénes, que tinha um irreverente barzinho na rua da famosa lanchonete Paulista, centro do Icó.

O dono do bar, como de praxe, assinou uma promissória do débito (compra). Até aí tudo bem e dentro do ritual já pré-estabelecido pela Antárctica.

Ocorre que, após vários meses da venda e nada do pagamento, Antonio Sobreira mandou Valdir ir cobrar o homem. E ele, obediente, foi!

Chegando ao endereço para cobrança, com as promissórias nas mãos, Valdir encontrou o dono do bar com um revolver, calibre 38, em punho, mandando que um funcionário da COELCE icoense, que estava cortando sua “luz” por falta de pagamento, descesse do poste sobre pena de maiores conseqüências.

Com medo de morrer, o eletricitário desceu, realmente, e saiu bem ligeiro daquele local.

Após o susto, Chico Diógenes virou-se rápido a Valdir, ainda armado, e foi logo perguntando: “e você o que deseja?”.

Valdir Batista, nem gaguejou, quanto a resposta: “Vim só lhe dizer que seu Antonio Sobreira sabendo de sua péssima situação financeira atual, mandou que eu rasgasse suas promissórias e também informasse que o seu crédito continua aberto totalmente na Antárctica”.

O devedor, feliz, agradeceu a generosidade. E Valdir, com medo, nunca mais apareceu naquele barzinho situado no coração de Icó.

(Do livro de causos do advogado e contista Fabrício Moreira da Costa).


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Copyright © FABRÍCIO MOREIRA DA COSTA | Powered by Blogger Design by RaffaelNojosa | Blogger Template RN Solucões em designer