O BLOG QUE FALA SÉRIO! fabriciomoreiraadv@gmail.com .

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

A PARTICIPAÇÃO DO CEARÁ NA CONFEDERAÇÃO DO EQUADOR


No local, além da cadeia, funcionou o governo do Ceará e o Judiciário


A Confederação do Equador foi um movimento separatista, que ocorreu no início do século XIX, em que alguns Estados do Nordeste juntaram-se em torno de Pernambuco, para criar um novo país, independente do restante do Brasil. Uma República confederada de Estados Nordestinos, independente do então Império Brasileiro. O conflito possuía raízes em movimentos anteriores, como a Revolução Pernambucana de 1817, que tinha caráter republicano.

Dois lideres insatisfeitos com a implantação da constituição de 1824, a primeira constituição do Brasil, que foi obra de D. Pedro I, que alguns dias antes havia fechado a assembléia constituinte, essa medida do imperador causou indignação em varias províncias do Império. No Nordeste Cipriano Barata e Frei Caneca delatavam o golpe dado pelo imperador, denunciando a nova Constituição como “anti-liberal” e despotismo do Imperador.

Frei Caneca criticava o Poder Moderador (exercido por D. Pedro I, este poder lhe concedia poderes para interferir no Executivo, Legislativo e Judiciário) e era contra a “intromissão do imperador nas questões políticas das províncias”. Com a Independência alguns Estados achavam que o novo governo, representado pelo império, teria caráter federativo, onde as províncias teriam autonomia para resolver seus conflitos internos sem a intervenção da capital do império.

Com a frustração diante das medidas do imperador, Paes de Andrade proclamou a Confederação do Equador, que tinha como inspiração a república norte-americana. A insurreição teve participação popular às chamadas “brigadas populares”; mulatos, pretos libertos e militares de baixa patente, no entanto, a elite que promoveu o movimento não trouxe soluções concretas para os problemas da população carente. O radicalismo instaurado pelas camadas populares, junto à proibição do trafego de escravos, foi responsável pela perda do apoio dos latifundiários, que era essencial para o movimento.

A participação do Ceará na Confederação do Equador devesse a dois aspectos; primeira a subordinação da capitania do Ceará a capitania de Pernambuco que durou de 1656 á 1799, e outro aspecto foi a influência da família Alencar na região do Cariri.

Com a implantação da Constituição de 1824 e a dissolução da Assembléia Constituinte, várias províncias do Nordeste ficaram insatisfeitas com essa medida autoritária do Imperador, sendo Pernambuco a principal delas. Logo algumas vilas do Ceará também se mostraram insatisfeitas como Quixeramobim, onde é declarada a República com José Pereira Filgueiras no comando das Armas. Outras províncias também se mostraram contra a nova constituinte como Crato, Aracati e Icó.

Uma junta presidida pelo Padre Francisco Pinheiro Landim, que estava no comando da província, mostrou sua insatisfação com as medidas de D. Pedro I através de um oficio dirigido, ao mesmo, onde a junta repudia suas ações.
Com a nomeação de Costa Barros para presidente da província do Ceará, a junta provisória é deposta, e inicia-se a luta da elite local para retomar o poder.

Assim, com a deposição do Governo Provisório os Filgueiras procuram arregimentar forças para conspirar a queda de Costa Barros. Este faz pronunciamentos que deixam a população descontente, sem apoio popular e com a pressão por parte dos Tristãos e Filgueiras, Costa Barros demitiu-se da presidência da província.

Com a saída do poder de Costa Barros, a oposição organiza um governo rebelde chefiado por Tristão Gonçalves de Alencar Araripe e José Pereira Filgueira que reinicia as relações com Pernambuco. A província de Pernambuco era o foco irradiador da confederação, era ela que fornecia armas, oficiais estrategistas para o Ceará, além de uma tipográfica responsável pela impressão do primeiro jornal do Ceará.

A Republica no Ceará se consolida em 26 de agosto, em um Grande Conselho formado por 405 eleitores mais influentes da província.

No entanto a repressão imperial se fez em 12 de Setembro quando o brigadeiro Luis Alves de Lima e Silva subjugou os rebeldes e restabeleceu o comando da província de Pernambuco ao poder imperial. Os lideres rebeldes fugiram ou foram capturados e condenados a morte.

Alguns lideres da revolução quando da chegada das tropas imperiais se renderam e outros traíram os ideais revolucionários ajudando a derrubar a república que eles próprios ajudaram a criar, como José Félix de Azevedo e Sá e Luis Rodrigues Chaves.

Concluímos, que o movimento revolucionário no nordeste foi um movimento de classe, onde os “elementos dominantes” usaram a população para defender seus interesses e não o interesse do povo, inexistindo projetos de mobilização social.

Fonte: ARAÚJO, Maria do Carmo R. A participação do Ceará na Confederação do Equador. In: SOUZA, Simone (Org). História do Ceará. Fortaleza: Fundação Demócrito Rocha, 1995.
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Copyright © FABRÍCIO MOREIRA DA COSTA | Powered by Blogger Design by RaffaelNojosa | Blogger Template RN Solucões em designer